Sejam bem vindos! You are welcome! Bien Venidos!

sexta-feira, 14 de março de 2008

Entrevista B.W. Com a Banda Krig


O Brutal Warfare teve a oportunidade de fazer uma exclusiva entrevista com a banda Krig. A banda falou sobre a carreira, dificuldades enfrentadas durante os anos e novos trabalhos...
Abaixo a entrevista completa!!!


BRUTAL WARFARE: Bem, vamos então começar a nossa entrevista. Como e onde surgiu a banda krig e qual o significado desse nome?

Isaque: A banda Krig, cujo nome é de origem norueguesa e significa guerra “Nós guerreamos contra o inferno”, surgiu em Janeiro do ano de 2007 na cidade de Belo Horizonte-MG.

BRUTAL WARFARE: Qual o objetivo da banda, que mensagem vocês tentam passar?

Isaque: A Idéia é de montar uma banda no estilo Death Metal com letras que falam sobre cristianismo, problemas sociais, política, problemas relacionados à natureza, filosofia, psicologia, etc.


BRUTAL WARFARE: A formação atual do krig é Isaque, Guitar/ Daniel Corpse, Vocals/ Junior, batera e Jully, Bass. A formação sempre foi essa, e alguns de vocês já fizeram parte de outras bandas, quais?

Isaque: A formação inicial contava com Phillippe Levidad. Mas ele saiu recentimente por morar em outra cidade e estar com dificuldades em manter uma freqüência de ensaios. Eu e o Daniel éramos da Sabbatariam, o Junior toca na Feel Burning Inside, a Jully já fez participações na sabbatariam cantando.

BRUTAL WARFARE: Quem faz as letras do krig e de que elas geralmente falam, vocês se denominam de que estilo do metal?

Isaque: As letras do krig geralmente são feitas por mim e o Daniel, elas falam sobre temas Sócio-Políticos com uma visão cristã. A idéia do estilo da banda é tocarmos Death Metal mesmo, mas em nossa música pode ser encontrado vários elementos da vertente do metal extremo.

BRUTAL WARFARE: Quais as influências da banda, tem alguma banda que vocês se inspiraram?

Isaque: Eu escuto várias bandas, cada época estou escutando bandas diferentes, o que tenho escutado atualmente é Impending Doom, Extol e Crimson Thorn.

Jully: Mortification, Stryper, Crimson Thorn, Extol, Pain of Salvation, Dream Theater e outras...

BRUTAL WARFARE: Hoje em dia vemos muitas mulheres em bandas de metal, coisa que a algum tempo atrás era muito raro de se ver, na krig temos a Jully. Vocês acham que realmente as mulheres tem ganhado espaço na cena, e preconceito existe ainda algum sobre isso?

Isaque: Preconceito sempre existe, as mulheres têm conquistado o espaço não só na cena metal, mas como também no cotidiano, no mercado de trabalho e nas universidades. Preconceito é um dos frutos formulados pela mídia, ela te dá o padrão do que você tem que comer, beber, vestir e a maneira como você deve se portar, além de ser uma atitude totalmente anticristã. A toda essa galera preconceituosa, tenho uma coisa a dizer, é melhor vocês começarem a correrem atrás senão uma mulher vai tocar no seu lugar.

BRUTAL WARFARE: Vocês estão sendo bem aceitos no meio underground, sofrem algum preconceito por pessoas e bandas não-cristãs?

Isaque: Todo dia se você for no meu orkut você vai ver um headbanger “true” com um frases totalmente pré formuladas como “seu white merda”, “vou te matar”, “vou deixar você em coma no hospital”, “vocês não tocam o metal verdadeiro”, e por aí vai. É como diz o velho ditado, apelou perdeu a razão. Os caras são tão sem argumento que eles só falam em matar, bater e destruir a gente, e se você for ver esses parasitas não passam de um punk de griff playboy que fica por traz de uma tela de computador, sendo que esses mesmos não são capazes de mover um mínimo dedo do pé para mudar a situação alarmante desse mundo o qual somos testemunhas oculares.

BRUTAL WARFARE: Esse novo logo da banda quem o criou, e quem criou o antigo?

Isaque: O novo logo da banda quem fez foi o nosso amigo Boliviano, Wilson Aguanta. O antigo foi o Levidad quem fez.

BRUTAL WARFARE: Vocês nesse novo trabalho fizeram uma musica chamada G.L.O.B.O. que aborda um assunto não tão comum dos abordados até agora por bandas cristãs, qual o verdadeiro objetivo desta musica?

Daniel: O verdadeiro objetivo dessa música é abrir os olhos das pessoas em relação a essa rede de televisão que em toda sua vida esteve se infiltrando sutilmente nas famílias brasileiras, destruindo mentes, manipulando a todos com seus programas fúteis que pregam homossexualismo explícito, só deixando claro que não temos nada contra os homossexuais, amamos essas pessoas e cremos que eles também são pessoas amadas por nosso Deus e também fazem parte do plano de salvação, mas como somos seguidores da palavra de Deus sabemos que isso (homossexualismo) é uma coisa diabólica (leia Romanos 1:18 a 32 e Levítico 18:19 a 30). Além de muitas coisas, todos sabemos como a Globo blasfemou contra o povo de Deus, exibindo mini-séries mostrando pastores transando com as mulheres da igreja, mostrando cultos como se fossem shows de strippers, etc. Mas os dias da Globo estão contados, Deus já está pesando a mão sobre aquela emissora.

BRUTAL WARFARE: O primeiro trabalho de vocês foi o ‘’feed me’’. O que vocês acharam da aceitação deste disco pelos White metaleiros, foi um trabalho marcante para a carreira do krig?

Daniel: ‘’Feed me’’ foi a porta de entrada do Krig para a cena metal tanto a cristã quanto a secular, até hoje o cd está sendo muito bem recebido pelo público, a mídia especializada também tem recebido muito bem, estamos colhendo excelentes frutos depois de ter lançado esse cd.

BRUTAL WARFARE: Como vocês se converteram?
Isaque, Daniel, Junior e Jully. Vocês poderiam contar como vocês conheceram a Jesus Cristo, e como é a relação de vocês com ele?

Jully: Eu cresci na presença de Deus, não sei o que é estar no mundo, mas a minha grande experiência de conversão foi com os meus 14 anos, quando eu comecei a entender o propósito de Deus pra minha vida e depois disso me batizei. Hoje eu dou graças por tudo, tenho vivido muitas experiências com Deus e depositei a minha vida nas mãos Dele.

Daniel: Conheci Jesus com 9 anos de idade, eu ainda morava em Ouro branco/MG fui na igreja junto com uma amigo que me convidou, e lá na escola bíblica ouvi a professora falando sobre o plano de salvação, a partir daquele momento Deus tocou no meu coração e percebi que eu não poderia levar minha vida adiante sem aceitar Jesus como meu salvador, hoje me sinto um cara mega abençoado, em todos sentidos, sinto que tenho feito muito pouco pra Deus se for comparar o que ele fez e tem feito por mim. Quem ainda não teve uma experiência real com Jesus, não perca tempo, faça isso agora, reconheça que Ele é o único que pode te salvar do pecado, confesse com seus lábios que Ele é seu salvador, peça perdão pelos seus pecados e deixe a porta do seu coração aberta para Jesus, pode ter certeza que sua vida mudará, Deus pode te dar muito mais que coisas materiais, Ele pode te dar a vida eterna ao lado dele, basta só você querer.

Isaque: Me converti em maio de 1997. Eu vivia na perdição do mundo, era um jovem cheio de revoltas contra Deus, vivia em um mundo de ilusões e era rodeado de pseudo-amigos. Graças a Deus já são mais de 10 anos segundo a luz de nosso Deus, e digo uma coisa, por mais que você tente não há como negar, a presença de Deus é iminente.

Junior: Nasci em um lar cristão, mas isso não significa ser um, a verdadeira conversão vem a partir do momento que você abandona seus velhos hábitos e passa a seguir verdadeiramente a Deus. Isso aconteceu em minha vida por volta de 12 anos quando tive um encontro com Deus. A partir desse dia minha vida e meus sonhos passaram a ter sentido, passei a sonhar e a viver em prol dos projetos que Deus tem colocado em meu coração!E isso e maravilhoso porque cada dia Deus tem me proporcionado novidade de vida dês de então!

BRUTAL WARFARE: Falamos do preconceito de fora, mas e o de dentro? Sabemos que o metal cristão é muito discriminado não só pelos não-cristãos como também pelos nossos irmãos em cristo também. Vocês sofrem preconceitos por familiares e irmãos da igreja?

Daniel: Antigamente sofríamos muitos preconceitos não só por pessoas não-cristãs, mas, pelas cristãs também. Já fomos taxados de satanistas, malucos, demônios, de tudo que você pode imaginar. Mas isso nunca abalou nossos objetivos e nosso modo de ser, e nunca pagamos ninguém com a mesma moeda, mostramos pra essas pessoas que sempre nos criticaram que o que fazemos é para Deus e hoje quase não sofremos preconceitos dentro das igrejas.

Junior: Em relação aos familiares não, mas em relação à igreja sim. Muitos ainda têm um grande preconceito em aceitar esse estilo musical no meio cristão. Mas acima da música e do sucesso a palavra de deus precisa ser pregada não importa a quem!E essa a nossa função como banda e como cristãos, revelar o que Deus tem compartilhado em nossos corações através da música.

BRUTAL WARFARE: Nesse novo trabalho de vocês o EP ‘’stop the manipulation’’, o que vocês visam, qual o tema central deste disco?

Jully: A mensagem que agente passa nesse EP é bem clara, quer alertar as pessoas contra a manipulação da mídia que cada dia que passa é cada vez maior. As pessoas são influenciadas e fazem tudo que a “TV” manda. Comem, bebem, dormem, compram... Infelizmente, nós sabemos que não é a nossa música que vai acabar com toda essa sujeira, mas se algumas pessoas entenderem o que queremos transmitir já vamos ter feito uma pequena diferença, e mandando um peso.

Junior: O tema central desse CD é o poder de manipulação que a mídia tem. Não somos contra a televisão, mas sim a certos conteúdos que nela são exibidos!Os valores da família, aquele velho e bom dialogo entre pais e filhos etc.tem sido substituído por horas diante da televisão. Uma geração de jovens repetidores e seguidores da televisão esta sendo despejada no mundo!Uma raça que sofrerá amargamente por falta de dialogo, relacionamento familiar. Uma geração que terá os seus valores ditados pela mídia, o padrão de beleza para cada ano será ditado pelas edições anuais do big brother!E o que deve ser aceito ou não em nossas famílias passará no próximo capitulo da novela das oito!Não perca a chance de ver a babilônia entrando em sua casa e fazendo uma “zorra total”.

BRUTAL WARFARE: Como está a agenda do krig, vocês estão numa fase boa para shows e eventos, quais os atuais planos da banda?

Jully: Damos graças a Deus por tudo que está acontecendo com a banda atualmente. A cada dia temos nos surpreendido com as propostas que chegam pra nós e a quantidade de shows que temos pela frente. Estamos trabalhando muito pra fazer um bom trabalho e a galera tem gostado. Deus tem nos abençoado muito e eu espero que continuemos assim!

BRUTAL WARFARE: Bem, gostaríamos de agradecer a banda por essa entrevista. O Movimento Brutal Warfare é muito grato a vocês por tudo, que Deus continue abençoando a todos. Agora pra finalizar a nossa entrevista deixem um recado para galera que curtem o som do krig, e para aqueles que ainda não reconheceram a Cristo como Senhor e Salvador de suas vidas.

Junior: Continuem dando apoio a banda e procurem levar Deus a serio em todas as suas atividades. Está chegando a hora em que os verdadeiros adoradores se manifestaram. Seja um deles e não um mero repetidor daquilo que tem sido dito dentro das igrejas. Busque conhecer a Deus com todas as suas forças e todo o seu entendimento para que você não seja pressionado e sofra nesse mundo por causa de falta de conhecimento.

A paz para todos!!!


Official website: www.krig.cjb.net

Um comentário:

miseria disse...

Olá a todos!

Faz pouco tempo tive contato com a banda Krig e atestei o potencial de seus integrantes!

A Krig pra minha surpresa, não é uma banda de Death ao pé da letra (versam, literalmente, sobre a morte), mas tem um som carregado deste estilo e letras de cunho político, muito bem elaboradas! A entrevista em voga, nos mostrou muito bem o quão longe está magnífica banda irá chegar.

Eu, no início de minha audições pelo metal, já passei, acredito, por quase todas a ramificações do deste estilo extremo e, nesta caminhada, pude perceber que há muitas bandas que só pensam no vil metal e são desprovidas de qualquer mensagem que nos faça refletir sobre está caótica realidade! No caso da Krig, vejo claramente a mensagem política que nos passa. A Krig nos chama à reflexão e, isto, é ser "metaleiro" ou headbanger" como alguns gostam de se auto-intitularem!

Eu sou metaleiro!!!

Recomendo a todos a banda Krig e podem esperar que logo ela estará figurando no mais alto e lamejado patamar do metal mundial!

Já sou fã de carteirinha e espero que logo, logo estarei frente a uma trincheira de palco, balançando a cabeça!!!

Viva a KRIG a grande revelação do metal mineiro. Tenho orgulho de vocês grandes camaradas!

Cordialmente,

Vocyferum - Contagem - MG